A menina que brincava com fogo – Millenium

Série: Trilogia Millennium

ISBN: 9788535914221

Páginas: 608

Editora: Companhia das Letras

Data:

Compartilhe

Sinopse

Não há inocentes. Apenas diferentes graus de responsabilidade”, raciocina Lisbeth Salander, protagonista de A menina que brincava com fogo, de Stieg Larsson.

O autor – um jornalista sueco especializado em desmascarar organizações de extrema direita em seu país – morreu sem presenciar o sucesso de sua premiada saga policial, que, somente na Europa, já vendeu mais de 6,5 milhões de exemplares.

Nada é o que parece ser nas histórias de Larsson. A própria Lisbeth parece uma garota frágil, mas é uma mulher determinada, ardilosa, perita tanto nas artimanhas da ciberpirataria quanto nas táticas do pugilismo, que sabe atacar com precisão quando se vê acuada. Mikael Blomkvist pode parecer apenas um jornalista em busca de um furo, mas no fundo é um investigador obstinado em desenterrar os crimes obscuros da sociedade sueca, sejam os cometidos por repórteres sensacionalistas, sejam os praticados por magistrados corruptos ou ainda aqueles perpetrados por lobos em pele de cordeiro. Um destes, o tutor de Lisbeth, foi morto a tiros.

Na mesma noite, contudo, dois cordeiros também foram assassinados: um jornalista e uma criminologista que estavam prestes a denunciar uma rede de tráfico de mulheres. A arma usada nos crimes – um Colt 45 Magnum – não só foi a mesma como nela foram encontradas as impressões digitais de Lisbeth.

Procurada por triplo homicídio, a moça desaparece. Mikael sabe que ela apenas está esperando o momento certo para provar que não é culpada e fazer justiça – a seu modo. Mas ele também sabe que precisa encontrá-la o mais rapidamente possível, pois mesmo uma jovem tão talentosa pode deparar-se com inimigos muito mais formidáveis – e que, se a polícia ou os bandidos a acharem primeiro, o resultado pode ser funesto, para ambos os lados.

A menina que brincava com fogo segue as regras clássicas dos melhores thrillers, aplicando-as a elementos contemporâneos, como as novas tecnologias e os ícones da cultura pop.

A menina que brincava com fogo

Neste 2° livro da Trilogia Millenium (o 1° é Os homens que não amavam as mulheres), Lisbeth desfruta do dinheiro roubado de Wennerström. Enquanto isso, a Millenium prepara mais uma matéria bombástica que vai chocar a todos. Dessa vez, o alvo são homens importantes da sociedade, envolvidos com o tráfico de mulheres e sua exploração sexual.

O jornalista Dag Svensson, inspirado na pesquisa de sua mulher criminalista, Mia Bergman, passou 4 anos investigando o tráfico de mulheres. Ele já possuía todas as provas necessárias para fazer essa grande denúncia. Assim como no caso Wennerström, a Millenium publicaria uma edição temática e um livro sobre o assunto. Imediatamente, todos na Millenium perceberam a bomba que tinham em mãos e se envolveram totalmente com a denúncia. Eles passaram a correr contra o tempo para conseguir publicar tudo em maio.

Porém, semanas antes do lançamento da revista, o inesperado acontece: Dag e Mia foram friamente assassinados e Mikael teve a infelicidade de encontrar os corpos.

A polícia, querendo demonstrar eficiência e se aproveitar do prestígio que o caso traria, iniciou rapidamente a investigação e encontrou as digitais de Lisbeth na arma do crime.

Tudo piorou quando a detetive Sonja Modig encontrou o corpo do tutor de Lisbeth, Dr. Nils Erik Bjurman. Ele era o dono da arma que matou Dag e Mia, e foi assassinado com a mesma arma. Todos esses acontecimentos somados ao depoimento do psiquiatra que a interditou, deu início à caça a Lisbeth. Segundo apurado pela polícia, uma doente mental, altamente perigosa.

Lisbeth e Mikael mais uma vez unem esforços para descobrir quem realmente matou Dag, Mia e o Dr. Bjurman. Assim, vamos acompanhando os passos da foragida Lisbeth e torcendo por ela. Achei esse livro muito interessante, pois o autor nos faz perceber que Lisbeth não é totalmente inocente e o curioso é que continuamos torcendo por ela. Também é possível perceber a crítica à sociedade que impõe padrões sociais e discrimina quem não segue esses padrões. 

Foi muito interessante acompanhar a Lisbeth e sua maneira de pensar quando ela resolveu se estabelecer e comprar um apartamento. As dificuldades que ela teve e como lidou com cada situação. Adorei conhecer o passado da Lisbeth e descobrir o motivo de sua interdição. Achei fantástico descobrir quantos amigos ela tem e nem sabe que tem.

O que falar do final? Mais uma vez foi surpreendente e dá vontade de iniciar logo o próximo livro (A rainha do castelo de ar). Isso me fez dar 4 estrelas para A menina que brincava com fogo. Para quem quer acompanhar as resenhas da série:

Também tem o trailer do filme sueco (Os homens que não amavam as mulheres teve duas adaptações, uma sueca e uma americana. Não encontrei o trailer da americana para A menina que brincava com fogo. Pelo o que encontrei de notícias, eles desistiram do filme.). Divirtam-se 😛 .

E você que já leu A menina que brincava com fogo, o que achou? Deixe sua opinião sobre o livro e a resenha.

Se você ainda não leu, mas se interessou pela história e quer conhecer melhor o livro antes de comprar, clique na capa dele ali no início e leia o 1° capítulo gratuitamente 😎 .

A menina que brincava com fogo pode ser encontrado na Amazon:

Relacionados


Compartilhe

Deixe um comentário