A garota no trem

ISBN: 9788501104656

Páginas: 378

Editora: Record

Data:

Compartilhe

Sinopse

Um thriller psicológico que vai mudar para sempre a maneira como você observa a vida das pessoas ao seu redor

Todas as manhãs Rachel pega o trem das 8h04 de Ashbury para Londres. O arrastar trepidante pelos trilhos faz parte de sua rotina. O percurso, que ela conhece de cor, é um hipnotizante passeio de galpões, caixas d’água, pontes e aconchegantes casas.

Em determinado trecho, o trem para no sinal vermelho. E é de lá que Rachel observa diariamente a casa de número 15. Obcecada com seus belos habitantes – a quem chama de Jess e Jason –, Rachel é capaz de descrever o que imagina ser a vida perfeita do jovem casal. Até testemunhar uma cena chocante, segundos antes de o trem dar um solavanco e seguir viagem. Poucos dias depois, ela descobre que Jess – na verdade Megan – está desaparecida.

Sem conseguir se manter alheia à situação, ela vai à polícia e conta o que viu. E acaba não só participando diretamente do desenrolar dos acontecimentos, mas também da vida de todos os envolvidos. 

Uma narrativa extremamente inteligente e repleta de reviravoltas, A garota no trem é um thriller digno de Hitchcock a ser compulsivamente devorado.

Alerta de spoiler:

Se você ainda não leu A garota no trem, o resumo a seguir pode conter spoiler. Se você não quiser ler o resumo, clique aqui para ler a minha opinião (sem spoiler).

Resumindo

Rachel é uma mulher na faixa dos quarenta, com baixa autoestima, alcoólatra e deprimida com o término de seu casamento. Ela descobriu que seu marido, Tom, a traía com Anna e ele a abandonou. O fato de Tom e Anna morarem na casa que um dia Rachel morou, de terem construído uma família feliz, pioram a depressão de Rachel. Ela liga todos os dias para ele e tem esperanças que ele volte para ela.

Todos os dias, Rachel vai de trem para Londres e esse trem faz uma parada próxima à casa de Tom. Em uma tentativa de tentar evitar olhar para a casa dele, Rachel observa a casa de número 15, pertencente a Jess e Jason. Com imaginação fértil, Rachel cria personalidades para o casal. Um dia Rachel vê Jess traindo o marido e isso faz com que ela fique extremamente decepcionada com a atitude da moça. A embriaguez para apaziguar a decepção faz com que à noite, Rachel vá até o bairro onde o casal e seu ex-marido moram. Jess some nessa mesma noite. Rachel acha que presenciou o sumiço de Jess, mas não se lembra, pois estava muito bêbada.

Com consciência culpada e querendo ajudar, Rachel começa, à sua maneira, investigar o caso. Isso, além de fazer com que ela reveja suas atitudes e tenha vontade de dar uma guinada em sua vida, também a coloca em apuros.

O que achei de A garota no trem

No início não gostei da Rachel e seu desespero por uma bebida. Ela me irritou muito e cheguei até a pensar em abandonar o livro. Ficou meio maçante a descrição das viagens dela de trem, seus pensamentos e seu amor incontrolável por Tom. Mas depois, quando ocorre o desaparecimento de Jess, o suspense começou a melhorar. Diversas vezes durante a leitura, mudei de suspeitos. Teve momentos que achei que o culpado era o Jason, marido de Jess. Em outras vezes, achei estranho o comportamento de Rachel e cheguei até questionar se ela inventava tudo ou se era realmente verdade. Também desconfiei de Anna (não gostei nada dela) e de Tom, ex-marido de Rachel. Para falar a verdade, não tive simpatia por nenhum personagem. Nem pela colega de apartamento de Rachel que parece ser uma boa pessoa. Porém, gostei muito do final. Achei que ele foi bem tramado.

Esse é um livro que nos faz pensar em nossos relacionamentos. Será que realmente conhecemos as pessoas que amamos? Será que elas seriam capazes de nos trair ou matar? Até onde estamos dispostos a ir para conseguir o que queremos? O que somos capazes de fazer por amor? Ele tem trechos profundos, reflexivos, por exemplo:

… Nunca entendi como as pessoas podem negligenciar com tanta frieza os danos que causam ao seguir o que manda o coração. Quem foi que disse que fazer o que manda o coração é uma coisa boa? É puro egocentrismo, um egoísmo de querer tudo…

… os buracos na sua vida são permanentes. É preciso crescer ao redor deles, como raízes de árvore ao redor do concreto; você se molda a partir das lacunas…

Se você não está em um bom momento da vida, está questionando seu relacionamento, não recomendo a leitura de A garota do trem 🙁 . Se você quer um livro de suspense e está de bem com a vida 😛 , eu recomendo.

Vamos trocar figurinhas

Considerando o começo arrastado, que me fez querer abandonar o livro, e o suspense após o sumiço de Jess, dou 3 estrelas para A garota no trem. E você que já leu A garota no trem, o que achou? Deixe sua opinião sobre o livro e a resenha. Não esqueça de avaliar o livro.

Se você ainda não leu, deixe também seu comentário sobre a resenha. Se quiser, pode encontrar A garota no trem nas seguintes lojas:

ExtraFNAC – Saraiva – Submarino


Compartilhe

Deixe um comentário